quinta-feira, 5 de novembro de 2009

No que uma boa idéia pode se transformar

O casamento já aconteceu, mas ainda tenho muito que contar. Nesse post irei registrar a história da Van. Desde o principio tivemos a idéia de contratar uma van para transportar parte da minha família que veio para o evento, assim como amigos que estivessem sem carro ou sem condições de dirigir. Os pais do Alexandre decidiram nos presentear com esse serviço para os nossos convidados e para ficarmos tranqüilos.

A cerimônia começava às 20 horas e a van passaria na minha casa e no hotel para levar todos. Uma idéia perfeita!



O relógio marcava 19:30 e eu ainda estava me arrumando extremamente nervosa com medo de chegar atrasada, pois penso ser totalmente out isso de atraso de noiva. Sem contar que no nosso contrato com a igreja, havia uma cláusula de multa se houvesse atraso. Eu só pensava uma coisa: O Ale não deve levar carteira para o altar, quem vai pagar isso? Já via a cena da gravata passando antes do álcool e da festa. Como eu tremia!

Para completar, na pressa vesti o vestido antes de colocar o saiote (acessório que fica embaixo do vestido para dar um certo volume). Meu Deus! E os botões! Abrir tudo e fechar de novo! Um desespero! Sem contar que o cabelo liso insistia em não formar os cachos mesmo com o baby liss quentíssimo.Talissa, a fotógrafa que estava fazendo o making off foi um anjo tentando me tranqüilizar.

Luiza, uma das minhas madrinhas me levou, juntamente com Lubek e João até o buffet. Cheguei mais rápido do que imaginava. Fiquei ali no carro esperando a minha vez de entrar, mas de repente percebi que o noivo ainda não tinha entrado, nem os padrinhos e o relógio já marcava 20 horas.


Aqui já mega relaxada com Lubek, Luiza e João

Eu já estava ficando desesperada sem entender nada, até que minha sogra veio avisar que a van estava perdida pelo bairro. A idéia que era perfeita até então, causou o maior transtorno da noite.O motorista não conhecia bem o bairro e nem um GPS ele tinha. Eu não sabia mais o que pensar, com certeza minha ansiedade deve ter ficado registradissima nas fotos feitas nesse momento dentro do carro.

Só sei que em pouco tempo vi todos chegarem e o espetáculo começou. A cereja do bolo da ansiedade veio quando ouvi a música tocar e eu ainda nem estava posicionada. O Dj vacilou com a minha surpresa para o noivo, mas mandei voltar à música, respirei fundo, olhei para tio Eduardo(meu tio e padrinho que entrou comigo) que tremia como eu e fomos entrando bem devagar pois eu queria chegar ao altar somente quando Djavan estivesse nesse refrão: Te adoro em tudo, tudo, tudo, quero mais que tudo, tudo, tudo, te amar sem limites viver uma grande história.

E assim cheguei aos braços do Ale que estava mais lindo do que nunca. Depois da cerimônia ele me disse: O homem não perdoou, exigiu a multa. Se não fosse um envelope com dinheiro que o Ale ganhou de presente de dois amigos ia ter que rolar uma vaquinha para pagar a tal multa. Já pensou?

Ricardo e Tripa, obrigado por salvar nosso casamento. E como toda grande história tem lá os seus percalços a nossa teve esse. Van perdida +,cerimônia atrasada = Multa. Mas a noite estava apenas começando.

4 comentários:

Noiva Nani disse...

Nossa...
Coitado do motorista...dos convidados..kkk
mas é sempre assim...
temos sempre uma historia engraçada pra contar desses dias de casamento!!!!

Micheline matos disse...

Pois é nani essa foi a minha!beijão,Mi

Peixes em peixes disse...

Tudo parece simples, é simples, mas até ajustar os detalhes... Beijos. Muito bom.

Micheline matos disse...

e quan tos detalhes né meu amigo?beijão,Mi